O Que é o HIL Protocol?

É a aplicação da tecnologia laser de alta intensidade a partir do nosso protocolo com finalidades de bioestimulação, analgesia e regeneração tecidual, agora disponível de forma segura e prática no Brasil, é a inovação que pretende mudar de forma impactante o tratamento das diferentes lesões, desencadeadas pelos mais diferentes fatores causais (inflamação, trauma, doenças, cirurgias ou simples prática de esportes).

Mecanismos de Ação
Calculadora
Indicações
Efeitos Médicos
Glossário
Perguntas frequentes

MECANISMO DE AÇÃO

O LASER (acrônimo para Light Amplification Stimulated by Emission of Radiation; i.é. Amplificação
da Luz estimulada por radiação) é um termo amplamente utilizado apara definir dispositivos de
tratamento capazes de produzir uma luz monocromática (um único comprimento de onda específico),
coerente (fase constante) e polarizada (direcional).

GERAÇÃO

A fonte de emissão de laser em equipamentos com esta finalidade pode ser diversa, mas deve respeitar critérios que permitam produzir luz com um comprimento de onda com o melhor padrão de interação com os tecidos, permitindo ao mesmo tempo emissão de altas intensidades de energia, com possibilidade de ação sobre cromóforos específicos localizados principalmente em tecidos profundos, sem produzir efeitos danosos sobre os tecidos superficiais. A tecnologia que melhor se aplica no momento a este fim é aquela que utiliza os diodos semicondutores de 1.064nm de comprimento de onda.

A luz gerada pelos diodos é então direcionada para uma fibra óptica, cuja extremidade é conectada ao aplicador de laser. O feixe é posteriormente processado por uma série de lentes que garantem a direção e o diâmetro corretos do feixe de luz, e consequentemente o alvo para ação.

Lasers terapêuticos são definidos por sua potência e comprimento de onda. O comprimento de onda é importante porque os efeitos ideais no tecido humano são alcançados por luz que atua na “janela terapêutica “ (aprox. 650 – 1.110 nm). O comprimento de onda de 1.064nm, aplicado por emissor de alta intensidade (10 – 30 Watts), garante uma boa relação entre penetração e absorção no tecido vivo. A quantidade de energia que um laser pode fornecer com segurança pode reduzir de forma significativa o tempo de terapia.

Veja calculadora

CLASSES TERAPÊUTICAS

Com base na potencia e no comprimento de onda, os lasers são divididos em várias classes.
Os lasers terapêuticos são tipicamente da classe 3B, terapia a laser de baixa intensidade (LLLT – Low Level Laser Therapy) com potência inferior a 500mW; e os de classe 4, chamados laser de alta intensidade (HIL – High Intensity Laser) com potência de 500mW e maiores.

MODOS

O laser de alta intensidade pode ser usado em dois modos – pulsado e contínuo.
O modo pulsado representa ligar e desligar o laser com uma frequência muito alta e é usado como tratamento analgésico.
A irradiação contínua é um modo no qual o laser permanece ligado o tempo todo da terapia e é usado para promover a bioestimulação e regeneração tecidual.

SEGURANÇA

Embora o laser terapêutico de alta intensidade seja geralmente seguro e promova processos reparativos, ele ainda pode danificar os olhos e, portanto, os óculos de proteção são obrigatórios durante toda a terapia.
Com o aumento da potência do laser de alta intensidade, existe cautela quanto aos efeitos térmicos que, por um lado, proporcionam uma terapia muito agradável, mas, por outro lado, se não forem monitorados e usados por um operador treinado, podem danificar o tecido.

CALCULADORA

Compare o tempo de terapia usando o laser de alta intensidade
com a terapia usando o laser de baixa intensidade.

Ferida pequena, com área de cerca de 10x10cm.
Com o HIL Protocol, precisamos apenas 1,23 minutos de aplicação, usando uma potencia de 12W.
Com o LLLT, para a mesma densidade de energia, precisaríamos de 166 minutois e tratamento, ou seja, 2h e 50minutos de tratameto.
Logo precisaríamos de no mínimo devidir este tratamento em 5 aplicações de 35 minutos (todos os dias da semana).

Ferida grande, com área de cerca de 20x25cm.
Com o HIL Protocol, precisamos apenas 6,57 minutos de aplicação, usando uma potencia de 12W.
Com o LLLT, para a mesma densidade de energia, precisaríamos de 833 minutos e 20 segundos de tratamento, ou seja, 14 horas em média de tratameto.
Logo, o tratamento de uma lesão extensa fica impraticável para lesões extensas.
Ainda para este critério, não consideramos as lesões mais profundas, que demandam potências de 20 a 30 watts.

* Testamos os mesmos parâmetros de terapia para HIL P e L LLLT e veja quanto comparativo de tempo
que o tratamento levará para cada modalidade de aplicação.

Laser de Alta Intensidade + Termográfia

INDICAÇÕES

Feridas agudas ou crônicas de difícil manejo clínico

Em relação à fototerapia para reparos teciduais, há cerca de 40 anos diferentes fontes de emissão de laser são usados tanto em modelos experimentais quanto clínicos.
Nos estudos em animais, vários modelos de feridas têm sido estudados desde aqueles intactos ou com simulações patológicas como diabetes.
Em humanos, vários tipos de feridas crônicas são alvo de avaliação da ação do laser, tais como feridas pós-operatórias, escaras de pressão, estimulação de reparo de tecidos ósseos, úlceras crurais crônicas, lesões traumáticas superficiais, feridas pós-cirúrgicas e até queimaduras.

Feridas pós-operatórias

Embora a irradiação das feridas cirúrgicas em geral seja eficaz, ainda não há estudos robustos realizados com HIL Protocol.
No entanto já foi bem demonstrado que esta inovadora estratégia pode resultar em aceleração do processo de cicatrização de lesões pós-operatórias, alterando sobremaneira a evolução das feridas pós-operatórias em geral, alterando a história da evolução das feridas cirúrgicas e os custos de seguimento clínico destes pacientes.
O HIL Protocol aparece como um protocolo de aplcação exequível, rápido e seguro visando reduzir a incidência de complicações inflamatórias e infecciosas que possam aumentar o período de internação hospitalar, reduzindo custos e iatrogenias pós-cirúrgicas.

Dor aguda ou crônica / Reabilitação Física / Medicina do Esporte e do exercício

Lesões esportivas não são mais uma patologia específica para os melhores atletas. Como uma parte maior da população está interessada em viver um estilo de vida saudável, o número de lesões esportivas aumenta a cada ano. As patologias esportivas incluem distensões musculares, entorses, rupturas e contusões em todo o corpo. Os estudos relatam excelentes resultados em regressão sintomatológica com desaparecimento ou redução de qualquer déficit funcional em pacientes com atividade esportiva profissional ou não, tratadas com laser de alta intensidade.

Entorses por exemplo são das lesões mais comuns. O entorse ou sobrecarga do tornozelo devido a um choque repentino, por exemplo, leva a consequências como dor e inchaço. As opções comuns de tratamento incluem descanso, bolsas de gelo e exercícios pós-tratamento para aumentar a força e a mobilidade. O tratamento a laser de alta intensidade reduz a fase de repouso, alivia a dor e impede que o edema atinja a fase crônica. O laser de alta intensidade trata a inflamação diminuindo a concentração de mediadores pró-inflamatórios na área.

A presença de pontos de gatilho ou outro ponto sensível no músculo, é também uma indicação comum. Por mais simples que pareçam, podem ser a causa direta da dor, complicar lesões ou imitar praticamente qualquer outro tipo de dor. O efeito fotomecânico do laser de alta intensidade alivia a dor e o efeito térmico causa relaxamento dos pontos de gatilho.

A maioria das pessoas que apresentam dor lombar apresentam discopatias relacionadas a área dolorida. Está relacionada à incapacidade e à ausência de trabalho, representando altos custos econômicos no mundo ocidental. As opções de tratamento conservador incluem terapias comportamentais, suporte lombar e fisioterapia, que são financeiramente desafiadoras. O laser de alta intensidade oferece alívio rápido da dor e alívio importante para as hérnias de disco, mesmo em casos graves. O tratamento é significativamente mais barato que as soluções terapêuticas conservadoras. A terapia com laser de alta intensidade provou ser eficaz, com economia de tempo e custo-benefício.

A artrite degenerativa do joelho é outra indicação tratada com sucesso pelo laser de alta intensidade. Foi relatado que o tratamento com laser de alta intensidade diminui a dor em pacientes em até 63%, reduz a inflamação e induz rapidamente os efeitos fotoquímicos e foto térmicos dos tecidos profundos que aumentam o fluxo sanguíneo, a permeabilidade vascular e o metabolismo.

A tensão muscular e a dor relacionada ao exercício podem se referir à tensão, tração ou até ruptura do músculo ou de seus tendões aderentes. O laser de alta intensidade trata o músculo através de um efeito térmico e, ao mesmo tempo, desencadeia processos fotomecânicos no nível celular, que causam a síntese de agentes extracelulares, células endoteliais e a regeneração do músculo e das células do tecido conjuntivo. O laser de alta intensidade reduz a fase de repouso e retorna o paciente à sua rotina diária ou esportes mais cedo do que quando se aplica métodos conservadores. O seguimento com o ortopedista e fisioterapeuta são fundamentais, mas as funções adjuvante e catalizadora do HIL Protocol são fundamentais.

Aftas e Mucosites

O termo “mucosite” se refere a “inflamação na mucosa”.
Na cavidade oral se constitui um quadro inflamatório da mucosa oral oriundos de diferentes fatores etiológicos, como por exemplo da quimioterapia geral e radioterapia de lesões da cabeça e pescoço.
Em função dos seus efeitos clínicos, como analgesia, modulação da inflamação, redução de edema e aceleração da cicatrização tecidual, o a Laserterapia apresenta aplicabilidade em praticamente todas as especialidades da Odontologia, principalmente adjuvante na área da oncologia no tratamento e prevenção da mucosite oral .
Além dos benefícios clínicos apresentados, o HIL Protocol é uma técnica indolor, de aplicação rápida e de fácil aceitação pelo paciente.

Neuropatias Sensitivas e Espásticas

A dor, espasmos e outras reações sensitivas ou motoras decorrentes das neuropatias, geralmente estão associadas a diferentes graus de inflamação que afetam as terminações nervosas.
A resposta muscular na maioria das vezes ocorre por estímulo ou reação de proteção promovida involuntariamente para “poupar” o território inflamado ou agredido.
Estas alterações vão levar a limitação de movimentos e consequente restrição funcional.
As opções comuns de tratamento incluem repouso, compressas de gelo e exercícios de fisioterapia para aumentar inicialmente a mobilidade, e em seguida a força muscular.
O tratamento com o HIL Protocol ( Laser de Alta Intensidade), modula o processo inflamatório diminuindo a concentração de mediadores pró-inflamatórios na área afetada, com isto determina analgesia potente, reduz a fase de repouso e consequentemente a perda funcional indireta.
Estas alterações são fundamentais para favorecer a aplicação dos tratamentos de fisioterapia e demais tratamentos impossibilitados pela dor e restrição de movimentos.

Miopatias Espásticas

Nas miopatias espásticas, a contratura muitas das vezes é desencadeada por gatilhos de dor que levam a um ciclo vicioso de mais contraturas com a finalidade de preserver a área afetada.
Mais uma vez o tratamento com o HIL Protocol ( Laser de Alta Intensidade) diminui a dor nos pacientes tratados, reduz a inflamação e estimula a regeneração dos tecidos profundos através dos efeitos fotoquímicos e fototérmicos, aumentando o fluxo sanguíneo, a permeabilidade vascular e o metabolismo celular.
O laser ainda atua estimulando a regeneração de fibras musculaes danificadas e ativando células miogênicas satélites.
Todas estas ações concorrem para colocar o paciente em melhores condições de receber o tratamento de fisioterapia, alongamento, fortalecimento e recuperação da capacidade funcional destes pacientes.

FORMAS DE APLICAÇÃO

O laser de alta intensidade é normalmente usado em dois modos – pulsado e contínuo.
Cada modo afeta os tecidos de maneira diferente e desencadeia diferentes respostas.
Estas respostas é que vão nos direcionar para os efeitos esperados de bioestimulação, alívio da dor,
efeito anti-inflamatório, efeito térmico superficial e relaxamento muscular.

PULSADO

CONTINUO

Efeito Analgésico
Bioestimulação
Estimulação de microcirculação
Efeito Térmico / Relaxamento Muscular
Efeito Anti-inflamatório

GLOSSÁRIO

LLLT vs HIL Protocol
Tipos de Laser
Comprimento de Onda

PERGUNTAS FREQUENTES

O tratamento com laser de alta intensidade é seguro. No entanto, existem precauções de segurança que precisam ser seguidas para garantir esta segurança.
A luz do laser de alta intensidade pode ser perigosa para os olhos (mesmo olhos fechados); portanto, o paciente e o terapeuta devem usar óculos de segurança fornecidos pelo fornecedor do dispositivo.

Como o laser de alta intensidade opera em altas potências, o terapeuta deve perguntar continuamente ao paciente sobre suas sensações durante o tratamento, principalmente a sensação térmica, e assim, ajustar a potência de acordo com a sensação do paciente.

Um dos grandes benefícios do laser de alta intensidade é que ele é absolutamente indolor.

O terapeuta administra a terapia, movendo o aplicador ao longo da superfície da pele em movimento de varredura ou espiral, sem contato com a superfície da pele logo acima da área tratada, realizando o mesmo movimento de maneira sem contato.

Há uma chance muito baixa de o laser de alta intensidade queimar o paciente, pois a terapia é sempre dinâmica e o aplicador é movido continuamente ao longo da superfície da pele.
Quando usado no modo pulsado (analgesia), há pouca ou nenhuma sensação de calor.

No modo contínuo (bioestimulação), os programas de tratamento são predefinidos para serem seguros. Para garantir a segurança, nosso protocolo envolve avaliação prévia dos tecidos a serem irradiados, aferindo extensão, profundidade e tecidos a serem irradiados, bem como identificação de coleções ou vasos importantes no trajeto do feixe de laser.
Os médicos que operam o laser de alta intensidade precisam ser profissionais bem treinados e adaptados à técnica de laser e métodos complementares adjuvantes.

O número de tratamentos varia de acordo com a indicação, sua gravidade e como o corpo do paciente reage ao tratamento.
O número de tratamentos pode, portanto, estar entre 4 e 15 ou mais aplicações (em casos muito graves).
Entre em contato com seu médico para ver quantas aplicações você pode precisar.

O número típico de tratamentos por semana é entre 1 e 3 sessões.
O terapeuta define o número de sessões para que a terapia seja a mais eficaz e adequada às opções de tempo do paciente.

Não há efeitos colaterais no tratamento.
Existe a possibilidade de uma leve vermelhidão da área tratada logo após o tratamento, que desaparece algumas horas após.
Como na maioria das terapias físicas, o paciente pode sentir um agravamento temporário de sua condição, que também desaparece algumas horas após o tratamento.
Geralmente a sensação de alívio dos sintomas é imediata.

Não, o tratamento é contrário à medicação para a dor, não viciante.
Da mesma forma, não é capaz de apresentar qualquer reação tipo dopping.

Não, não há limite para o número de tratamentos, pois a terapia não é viciante.
Cabe ao médico determinar se o paciente precisa de mais tratamentos ou concluir que, no caso do paciente não apresentar melhoras, a terapia não é eficaz e sugerir outras opções de terapia.
A falha na resposta é possível, como em qualquer modalidade terapêutica, não cabendo portanto qualquer indenização por falha.

APOIO CIENTÍFICO

Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..
Saiba mais..

DEPOIMENTOS


Ranieri

Jogador profissional de Futebol


Pedro Quintas

Medalhista de bronze no mundial de skate


Andressa Fidelis

Atleta Olímpica

Hil Protocol
ICA Instituto Capixaba de Angiologia

  • (27) 3225-2986

  • (27) 9.9965-7030

  • contato@hilprotocol.com.br

  • Rua Aleixo Neto, 1666
    Praia do Canto – ES
    Cep. 29055-260

Entre em contato conosco

Autorizo o envio de meus dados

» Nosso grupo, o INSTITUTO CAPIXABA DE ANGIOLOGIA – ICA , existe desde 1998, quando nos juntamos eu, Fábio Luiz Costa Pereira (CRM 5.786 ES ; 77.996 SP), o Fabrício Machado Rossi (CRM 5.377 ES) e o Pablo da Silva Mendes (CRM 6.792 ES), todos Cirurgiões Vasculares de formação. Da mesma forma, nós três completamos nossa formação médica com especializações em Ecografia Vascular com Doppler, Cirurgia Endovascular, e por fim em tratamentos medicos com laser, tanto o endovenoso quanto o não invasivo.

» Membros da SBACV – Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular; e da SBLMC – Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia. O HIL Protocol – aplicação não-invasiva de laser de alta intensidade – é o nosso mais novo produto. É uma técnica que foi aperfeiçoada pelo nosso grupo, com a colaboração da industria internacional de laser para nos capacitar a poder entregar altas densidades de energia profundamente nos tecidos sem provocar dano superficial. O uso do laser com esta finalidade foi um aperfeiçoamento das técnicas de uso de laser de baixa potência – LLLT, já amplamente estabelecido com várias indicações, porém sem a capacidade de penetração necessárias a nossas atuais aplicações.

» Estamos em constante aperfeiçoamento da nossa técnica. Convidamos a nos acompanharem em nossos canais de contato (site, instagram, facebook) para saber dos nossos cursos de formação e aperfeiçoamento não somente nas terapias com uso do laser não-nvasivo como outras técnicas em Angiologia, Cirurgia Vascular e Endovascular.

Dr Fábio Luiz Costa Pereira
CRM ES 5.786
CREMESP 77.996

– Membro Titular da SBACV – Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular
– Membro Titular da SBLMC – Soc Bras de Laser em Medicina e Cirurgia
– Título de Especialista SBACV/AMB em Cirurgia Vascular
– Título de Especialista SBACV/CBR em Ecografia Vascular com Doppler
– Especialização em Cirurgia Endovascular pelo ICVE/SP

Atendimento:
– ICA – Instituto Capixaba de Angiologia: Clínica Aleixo Netto. Rua Aleixo Neto,1.666
Tel: (27) 3225-2986

– Hospital Meridional Serra: Av Civit A, 288 – Ed. Metropolitano Tower, Espaço Manguinhos, sala 14
Tel: (27) 3346-2010

– INA – Instituto do Atleta. Rua Bento de Andrade, 252 – Jardim Paulista, São Paulo – SP – CEP 04503-000
Tel.: (11) 3887-5123
contato@institutodoatleta.com.br

Dr Pablo da Silva Mendes
CRM ES 6.792

– Membro da SBACV – Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.
– Título de Especialista SBACV/AMB em Cirurgia Vascular
– Título de Especialista SBACV/CBR em Angioradiologia e Cirurgia Endovascular.

Atendimento:
– ICA – Instituto Capixaba de Angiologia: Clínica Aleixo Netto. Rua Aleixo Neto,1.666
Tel: (27) 3225-2986

– Hospital Meridional Serra: Av Civit A, 288 – Ed. Metropolitano Tower, Espaço Manguinhos, sala 14
Tel: (27) 3346-2010

Dr Fabricio Machado Rossi
CRM ES 5377

– Membro da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular
– Título Especialista em Cirurgia Vascular pela SBACV/AMB
– Membro da SBACV – Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.
– Especialização em Cirurgia Endovascular pelo ICVE/SP

Atendimento:
– ICA – Instituto Capixaba de Angiologia: Clínica Aleixo Netto. Rua Aleixo Neto,1.666
Tel: (27) 3225-2963

– Hospital Meridional Serra: Av Civit A, 288 – Ed. Metropolitano Tower, Espaço Manguinhos, sala 14 Tel: (27) 3346-2010

– Consultório Centro da Praia Shopping

Av. NOSSA SENHORA DA PENHA, 570 sala 911 Vitória E.S.
Tel: (27)32250306

– Consultório Domingos Martins
Rua Otaviano Santos s/n Centro Médico Domingos Martins
Tel: (27)3268-1199